Páginas

Marcadores

sexta-feira, 29 de março de 2013

...DAS REZAS


Prenda Divina do Céu,
mãe de Jesus e de nós,
de joelhos diante de vós,
no oratório do galpão,
junto ao fogo de chão,
assim que o dia amanhece,
faço pra ti esta prece,
pedindo tua proteção.


Sei que às vezes me desgarro,
por atitudes e pensamentos,
que são contra os mandamentos,
do Patrão aí das alturas,
mas sendo eu uma criatura,
ainda em provação,
me recolho em oração,
pra que a alma fique pura.

 
Por isto Prenda Divina,
peça a Deus o meu perdão
e diz aí ao Patrão,
iluminar meu caminho,
afastar todos os espinhos,
as pedras tirar da frente
e guardar pra este vivente,
nessa morada um cantinho!

terça-feira, 26 de março de 2013

ME DEI MAL

Foto de Giancarlo M. de Moraes

Que petiça desgranida,
veiaca,  dura de queixo
e atordoada das idéia.
Garrou de cismá comigo
e eu querendo dá um castigo,
fui me exibir pra platéia.

Não quis amadrinhador,
só os cachorros na volta,
pra fazer larida e farra.
Me benzi com a mão trocada
e gritei pra gurizada,
é assim que a gente se agarra!

Debochei botando a língua,
me lasquiando pro piazedo,
achando que era o tal.
Um deles sapateou
e a petiça se boleou,
ignorando o bocal.

Pulei assim mesmo em falso,
e me dei mal na saída,
montei mas não me ajeitei.
La pucha! Nossa Senhora,
me faltou o ar na hora
e no chão me espatifei.

Fingi ter me machucado,
saí mancando sem graça,
com a cara puro capim.
A petiça nem deu bola,
os cachorros abanavam a cola,
como que rindo de mim.

As garras dos meus pelegos
ainda estão lá na cerca,
testemunhando a façanha.
Mas volto praquele lombo,
não faz diferença um tombo,
pra um guri de campanha!


sábado, 9 de março de 2013

NOSSO RECANTO



Foto própria 
Correndo pra chegar lá fora
a rédea guiava a mão
e a saudade na espora
cutucava o coração

Quando entrei na porteira
rezei tirando o sombreiro
tendo a paz por companheira
e o silêncio por parceiro

A natureza abriu os braços
senti dela o abraço
refrescando até a alma

Assim é nosso recanto
onde o astral eu levanto
e a saudade se acalma

quinta-feira, 7 de março de 2013

SEMPRE SE DÁ UM JEITO

Desenho prório
Dos botões da alpargata,
fiz um brinco pra prendinha
e duma tirinha de lata,
um passador pra trancinha.


De um vasinho de plástico,
tirei uma pequena flor
e com um fiozinho de elástico,
se tornou um prendedor.

Ficou faceira a prendinha,
pois era só aquilo que eu tinha,
pra lhe dar bijuterias.


Fiquei feliz e satisfeito,
pois foi assim que achei o jeito,
pra ela ter suas fantasias!

AROMA, ODOR E FEDOR


TRÊS GÊMEOS QUE VISITAM NOSSO OLFATO.

O AROMA VEM DO CAFÉ,

O ODOR DO ZORRILHO, PARECIDO TAMBÉM É

E UM FEDOR QUASE IGUAL,

VEM DO PEIDO DE UM BAGUAL.

QUEM CONHECE ESSES IRMÃOS,

TENHO CERTEZA QUE ME DARÁ RAZÃO!